E se o Starbucks usasse o mesmo marketing das igrejas?