ME CONTARAM ALGO SOBRE VOCÊ.

Quando acabava o assunto, um amigo emendava com a seguinte frase: “Já sei! Vamos conversar sobre o melhor assunto que existe: A vida dos outros!“. Ríamos muito, já que esta hironia é uma verdade: A vida alheia é assunto que faz a língua coçar, as revistas sobre a vida de celebridades se esgotarem nas bancas e a imprensa rosa nunca entrar no vermelho (cor a qual sua orelha constantemente fica).

O que fez, com quem tem saído, para onde, quando e quanto custou?

Uma coisa é certa: Quem traz notícias da vida alheia para você é a mesma pessoa que leva aos outros notícias sobre a sua vida. Sim! Não tenha dúvida: me contaram algo sobre você! (Mas não se angustie, pois também contaram a você algo meu.

Vida Alheia… Que tema fascinante!

A fofoca, por definição, baseia-se em afirmações sobre fatos não confirmados. Especulações e, por fim, julgamentos velados.

Jesus (sempre Ele…) também nos ensinou algo valioso sobre este tema:

“Não julgue os outras para você não ser julgado por Deus. Não condene os outros, para você não ser condenado por Deus… Porque com a mesma dureza com que você julgar, você também será julgado…”

Assim como a fofoca coça na língua, o desejo de julgar as pessoas também é doce na boca de muitos. Sempre temos opinião para dar sobre alguém. Sempre sabemos o que é “o melhor”  para o filho dos outros e estamos sempre prontos para emitir opiniões que destilam veneno. Tiago, o irmão de Jesus definiu muito bem a língua:

“Fogo consumidor, veneno incontido, capaz de incendiar toda a existência humana…”

Com a língua fofocamos, julgamos e condenamos… Que coisa feia! Aliás, que coisa deliciosamente horrível.

Anaïs Nin nos conta que “nós não vemos as pessoas como elas são, mas como nós somos”, portanto, somos incapazes de julgar alguém, já que nosso ponto de vista  está sempre contaminado por questões culturais e pessoais, assim, jamais julgamos imparcialmente, mas, o mais imparcial dos comentários está parcial ou completamente contaminado por opiniões que são reféns do tempo e do espaço, visões incompletas e distorcidas dos fatos, posto qualquer fato ou ato possuir inúmeras facetas, impensáveis para qualquer observador. Somos incapazes de julgar imparcialmente, pois somos fruto do meio e do tempo.

Condenar os atos alheis é um erro ainda mais grosseira, já que todos nós possuímos nossos erros. Jesus livrou uma mulher adúltera do apedrejamento público e a despediu com as seguintes palavras:
“Eu não te condeno… Vá embora mas não repita isto!”.

Nós somos um pouco diferentes, em nossas doenças psíquicas e emocionais, nos escondemos de quem somos e exorcizamos nossos demônios interiores por meio da condenação alheia, como se o outro fosse nosso bode-expiatório que, por meio de nossa língua ferina, morre e leva junto o pecado que nos pesa nas costas. 

Os moralistas são grandes julgadores, condenadores até fofoqueiros… O moralista normalmente é uma pessoa doente emocionalmente, que não consegue se relacionar com seus desejos íntimos, e assim, no intúito de não mostrar-se frágil, assume uma postura de juiz da soceidade ou do seu grupo de relacionamento, convertendo-se tanto em Deus, o grande juiz, como em Diabo, o grande condenador, ao mesmo tempo que mantêem latente sua humanidade, de grande fofoqueiro.

Jesus também adverte estas pessoas mostrando para elas o seu fim: Serão julgadas e condenadas com a mesma severidade que usam. Muitos religiosos são moralistas, assim a feiúra da religião acaba afastando pessoas boas da beleza de Crsito. Mas se as pessoas, religiosas ou não, mantiverem postura perdoadora, assim também receberão perdão de Deus. Ou seja, a vida é feita de escolhas: Qual é a sua escolha?

————————————————

A vida é feita de escolhas?
Veja este filme publicitário que trata do tema “destino”.
A frase final, que é falada em inglês, significa: “Sinto muito destino.”
Tire suas próprias conclusões:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=nPh3CkOyuaU]

06 comments

writer

The author didnt add any Information to his profile yet

Leave a Reply