Preconceito religioso medieval ressurge em pleno século XXI (ou “Tempos apocalípticos”)